Logotipo da Prefeitura Municipal de Campinas
 

Notícias

Seminário Regional reúne 33 municípios


25/08/2009 - 09:22




O vice-prefeito de Campinas Demétrio Vilagra e a secretária municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Darci da Silva abriram na manhã desta sexta-feira, dia 21 de agosto, o I Seminário Regional – “Novos Instrumentos de Avaliação das Políticas Sociais”.

O evento realizado no Auditório Artêmides Zatti do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal) abordou a importância de novas ferramentas para a gestão, formulação, atendimento e avaliação dos serviços públicos nas áreas sociais. Voltado para gestores, pesquisadores e técnicos que atuam com as políticas sociais, o seminário reuniu mais de 400 pessoas representantes de 33 municípios.

Representando o prefeito Hélio de Oliveira Santos, na ocasião, Vilagra enfatizou a importância dos instrumentos de avaliação das ações sociais. “Recentemente, apresentamos o mapa da vulnerabilidade social do Município e em parceria com a Unicamp o Cadastro Social Único do Município, ferramentas que nos auxiliam na gestão das políticas sociais”, disse.

De acordo com o vice-prefeito, Campinas é uma das cinco cidades do Brasil que tem programas sociais consistentes para as pessoas que precisam do poder público. “Dados do Cadastro Social do Município, apontam que no último mês de julho, havia 182.725 pessoas inscritas em 72 programas sociais com 153 unidades executoras da política social”, colocou.

Para a secretária Darci, todas as políticas públicas desse governo têm caminhado para o aprimoramento das políticas sociais. “Este fato tem feito com que haja intersetorialidade entre todas as políticas sociais para o enfrentamento da pobreza e necessidades das áreas de maior risco e vulnerabilidade, o que tem permitido a Campinas um avanço muito significativo”, expôs.

Conforme a secretária, todos os índices de competitividade de Campinas comparados com os demais municípios tem demonstrado esse avanço. No último senso demográfico, em 2000, eram 40 mil famílias no Município em situação de alto risco de vulnerabilidade. Hoje, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), são 26 mil.

Boletim

Todos os participantes do I Seminário Regional “Novos Instrumentos de Avaliação das Políticas Sociais” receberam a primeira edição do boletim “Carta Social” - publicação da Coordenadoria de Gestão e Integração das Informações Sociais da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social (SMCAIS) que contém informações e estatísticas úteis para a gestão da Política Pública de Assistência Social.

De acordo com os organizadores do boletim, a periodicidade é trimestral e a ideia central é disponibilizar, a todos que compõem a rede socioassistencial do município de Campinas, as principais estatísticas e informações relativas ao público alvo da política de assistência social, aos programas executados, à gestão e aos objetivos alcançados.

A primeira edição do boletim apresenta dados gerais do município como indicadores demográficos, números relativos aos programas de transferência de renda, dados sobre a rede de entidades co-financiadas pelo Poder Público e políticas de atendimento aos jovens.

Tomando como base o Cadastro Social do Município com um total de 182.725 pessoas incluídas, o Carta Social especifica a composição etária dos cadastrados e o grau de escolaridade dessas pessoas. No conjunto de pessoas cadastradas nos programas da Assistência Social, 53% tem menos de 25 anos e 44% não chegaram à quarta série do ensino fundamental.

O boletim apresenta ainda os indicadores referentes ao Índice de Desenvolvimento da Família (IDF) conforme base de dados do Cadastro Único Federal, referente à julho de 2008.

Conforme a coordenadora da área, Gisleide Abreu, o objetivo desse boletim é criar um espaço para troca de informações. “O primeiro exemplar apresenta dados mais gerais, mas à medida que forem surgindo novas demandas pretendemos refinar a análise dos dados”, colocou.

Debates

A primeira mesa de debates ocorreu no período da manhã com a participação dos professores Márcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Waldir Quadros, pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit/Unicamp).

No período da tarde houve quatro exposições “O uso do Índice de Desenvolvimento da Família (IDF) como instrumento de avaliação e gestão dos programas sociais, apresentado pelo coordenador  geral de atendimento do Cadastro Único da Secretaria Nacional de Renda e Cidadania (Senarc), Fernando Gaiger; Potencialidades do IDF para as políticas sociais no atendimento às famílias com exposição da pesquisadora do Instituto de Estudos Especiais (IEE), Carola C. Arregui.

“Régua Social como Instrumento de Gestão para as Políticas Sociais foi a exposição feita pelo representante do laboratório de Redes de Comunicação (LarCom) Unicamp, Leonardo Mendes e, finalmente, uma Abordagem Qualitativa do Programa Bolsa Família, pelo professor de Antropologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, André Pires.


Crédito: